quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

♥→ Profundamente...






Enquanto todos elogiavam meu sorriso, você prestou atenção nos meus olhos: “agateados ao contrário”, descreveu. Eu achei a sua percepção tão inédita que comecei a prestar atenção neles. Elogiaram meus cabelos, você falou que o tom da minha pele era um “sépia acanelado” e me acariciou delicadamente. Criticaram minha falta de pudor, você reparou apenas que sou quase infantil dentro de um parque, que quando o vento levanta a minha saia, arrumo os meus cabelos e que me divirto com diálogos imaginários que faço das pessoas desconhecidas ao redor. Eu indaguei sobre a dureza de certas coisas, você disse que é porque sou fluida, mas tão fluida que vivo à beira de me lançar do abismo como quem pula um muro e de me perder no desconhecido de tantas sensações excêntricas que carrego comigo. Você não reclamou da minha gargalhada indiscreta, achou apenas espontânea. Você foi a única pessoa que não tentou me beijar na primeira oportunidade. Você quis apenas me olhar por horas, calma e profundamente. Mas cada vez que o seu braço encostava no meu, sentia arrepios incontroláveis e achava aquilo tudo quase proibido: pois naquele contexto, não seria adequado sentir tanto tesão por um amigo. Eu me senti tão confortável na sua presença, que não havia lugar mais aconchegante que aquele colo enorme que você me deu. Eu descansei profundamente ali: da vida, da minha intensidade, das milhares de pessoas que me povoam habitando em mim. Eu resgatei uma tranquilidade que me fez esquecer o tempo, as horas, os compromissos agendados.
Eu sei apenas que fui muito feliz naquele nosso instante, por isso, guardo-o aqui dentro: no meu Templo Sagrado.



Marla de Queiroz

2 comentários:

Viviani Queiroz disse...

Lindo, lindo expressões da alma e do coração.

Viviani Queiroz disse...

Lindo, lindo expressões da alma e do coração.