segunda-feira, 13 de junho de 2011

♥→ Minhas Marcas Roxas



O tempo nada significa diante da minha vontade de tê-lo ao meu lado mais uma vez, eu e esse desejo de morrer de paixão, de olhos brilhando e coração nas mãos.

Me chamem de boba, louca ou tola, porém nada importa mais pra mim do que ter esses sonhos do meu corpo depositados em teu abraço, entregues na tua boca,  em nossos passos, em nossos traços, tantas vezes raros, tanta vezes subseqüentes, tantas vezes malevolentes e tantas vezes resistentes.

Quero me afogar no teu sorriso, bem fundo, lá no fundo onde eu possa me perder e me encontrar inúmeras vezes em nossas madrugadas de sol. Porque você é possuidor do riso mais lindo, daquele riso contido e espalhado que me atormenta, que me acalenta, que me desnuda e me esquenta nos meus dias mais frios.

Porque você estimula minha dopamina, serotonina e endorfina, minhas neuras e minhas rimas, me fazendo ficar dentro e fora de mim.

Porque você fez da minha alma tua morada, do meu peito teu refúgio, da minha cama a tua estrada.

Porque sem você sou só meio, meio vida, meio morte, meio verso, meio sorte, meio rio, meio mar, me sinto perdida em algum lugar entre teus olhos e meu desespero.

O tempo está começando a deixar suas marcas em meu corpo, aquelas marcas roxas de saudades.



Thatiana Vaz



Bruna Caram - "Palavras do Coração"


4 comentários:

Polly disse...

Adorei o blog!! Vou voltar mais vezes. Beijos

@Francisquices disse...

A gente se entrega de um jeito, não é? É como se o outro fosse a metade, que sem essa metade a gente não é nada... É um vazio, um espaço que nada tem... A gente precisa de força e coragem pra isso, não é qualquer um.

Guilherme disse...

O tempo é banco de areia no mar da vida. (Shakespeare)

Wanderley Andrade disse...

Oi querida! Bravo! Suas Pétalas de Sentimento são maravilhosas. Adoro vir aqui. Beijos.